Ҵýֱ

Unifei é campeã na fase regional da XXIV Maratona de Programação e segue para final brasileira

A equipe “Falácias e Carícias” terminou em primeiro lugar na etapa de Muzambinho, conquistando vaga para a final brasileira, que acontecerá nos dias 8 e 9 de novembro em Campina Grande – PB.

A equipe Need help with formal proof foi a terceira colocada na competição.

 

A equipe “Falácias e Carícias”, composta por alunos da Universidade Federal de Itajubá (Unifei), terminou em primeiro lugar na etapa de Muzambinho – MG da XXIV Maratona de Programação, realizada no mês de setembro, conquistando vaga para a final brasileira, que acontecerá nos dias 8 e 9 de novembro em Campina Grande – PB. Além disso, a equipe foi convidada para participar do treinamento que acontecerá nos dias 6 e 7 do mesmo mês. A equipe Need help with formal proof foi a terceira colocada na competição.

Uma comitiva de alunos da Unifei participou dessa etapa no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais (IF Sul de Minas), campus de Muzambinho. Na ocasião, compareceram 42 equipes de 11 escolas, entre universidades e faculdades da região. O professor Roberto Affonso da Costa Junior, do Instituto de Matemática e Computação (IMC), acompanhou os estudantes dos cursos de Engenharia da Computação (ECO), Ciência da Computação (CCO), Bacharelado em Física e Bacharelado em Matemática.

As equipes que representaram a Unifei na competição foram: Falácias e Carícias, com David Mateus Batista, Tarik Vieira Moallem e José Luiz da Silva Neto; Need help with formal proof, com Edgar Davi Cunha de Almeida, Dilson Gabriel Pieve e Gustavo Luiz de Alvarenga Guerra; .++, com Dener José Ribeiro, Eduardo Augusto de Oliveira e Leonardo Furtado de Oliveira; MagicLogic, com Luis Fernando Soares dos Santos, Giovany da Silva Santos e Maria Eduarda Cintra Ribeiro, e Fisicoders, com Daniel Augusto de Sousa Mendes, Gabriella Augusta de Oliveira Correa e Igor Andrade Reis de Oliveira.

Segundo o professor Roberto Affonso, a competição estimulou entre os alunos a criatividade, a capacidade de trabalhar em equipe, a busca de novas soluções de software e a habilidade de resolver problemas sob pressão.

A Maratona

Criada em 1996, a Maratona de Programação é um evento da Sociedade Brasileira de Computação (SBC) que nasceu das competições regionais classificatórias para as finais mundiais do International Collegiate Programming Contest (ICPC) – Concurso Internacional de Programação Colegiada, em Português.

Como parte da regional sul-americana do concurso, a Maratona é destinada aos alunos de cursos de graduação e início de pós-graduação na área de Computação, como Ciência da Computação, Engenharia de Computação, Matemática, Sistemas de Informação e outros.

Na Maratona, cada time é composto de três estudantes, que tentaram resolver, no prazo de 5 horas, o maior número possível de problemas entregues no início da competição. Os competidores têm como suporte apenas um computador e material impresso, como livros, listagens e manuais, para auxiliar na resolução dos problemas propostos.

Diversas universidades do Brasil promovem concursos locais com o objetivo de escolher os melhores times para participar da Maratona de Programação. Após esta etapa, os times selecionados competirão na fase regional sul-americana. A partir disso, os melhores serão selecionados para participar das finais mundiais do evento.

Em 2018, mais de 50 mil estudantes de 100 países participantes, em mais de 3.000 escolas, competiram em regionais por todo o mundo, mas apenas 135 participaram das finais mundiais do evento no Porto, em Portugal. Seis times brasileiros, dos quase 800 participantes, estiveram presentes nessas finais.

Neste ano, a primeira fase da competição ocorreu em 47 sedes. Participaram times de vários estados brasileiros, com exceção de Mato Grosso e Tocantins. No total, foram 726 times de 224 escolas. A prova realizada pelos times brasileiros foi usada simultaneamente no México, na América Central e nos Estados Unidos. No total, 1.269 times se inscreveram, dos quais mais de 1.000 efetivamente participaram.